Reputação corporativa na Web: reflexões acerca da formação em Comunicação e da articulação de redes sociais no Brasil

Fabiana Grieco Cabral de Mello Vetritti, Rafael Vergili

Resumen


Fenômenos como a disseminação dos dispositivos móveis, o aumento dos níveis de acesso à Internet, a participação da população conectada no consumo e na produção de conteúdo têm sido observados no Brasil nas últimas décadas. Os avanços da cibercultura na sociedade contemporânea brasileira delineiam um cenário marcado pela liquidez dos padrões e pela emergência de novas formas de configuração entre indivíduos e organizações. Diante disso, este texto trata do mercado brasileiro de articulação de redes sociais e seus profissionais, contemplando a formação nas Instituições de Ensino Superior e as habilidades e competências no uso da mídia e informação, definidas pela Unesco como MIL – Literacias de Mídia e Informação. Para tanto, foram realizadas pesquisa quantitativa e qualitativa, conforme os procedimentos adotados no livro “Relações Públicas, Mercado e Redes Sociais”, de “Autor deste artigo” (2014), e da Tese de Doutorado, publicada pelo mesmo autor (2017). As pesquisas buscaram driblar os desafios de penetrar no universo das organizações brasileiras e dialogar com os profissionais do mercado e das instituições de ensino que lecionam Relações Públicas. Acredita-se que o presente texto sinalize a necessidade de estratégias de longo prazo para o fortalecimento da reputação corporativa na Web.


Texto completo:

DOC PDF EPUB MOBI

Referencias


Anuário Brasileiro da Comunicação Corporativa 2012. (2012). São Paulo: MegaBrasil.

Argenti, P. A. (2006). Comunicação empresarial: a construção da identidade, imagem e reputação. Rio de Janeiro: Elsevier, 79-108.

Barcellos, F. (1984). Curso Básico de Relações Públicas. São Paulo: Ediouro.

Bardin, L. (2016). Análise de Conteúdo (Trads. Luís Antero Reto e Augusto Pinheiro). 3ª reimp. da 1ª ed. de 2016. Lisboa: Edições 70 (Obra original publicada em 1977).

Baseggio, A. L. (2017). Entrevista concedida a “Autor deste artigo” em 08 de set. 2016.

Bauman, Z. (2001). Modernidade líquida. Rio de Janeiro: Zahar.

Bauman, Z. (2013). Sobre educação e juventude: conversas com Riccardo Mazzeo. Rio de Janeiro: Zahar.

Bittencourt, H. R., Casartelli, A. O., Rodrigues, A. C. M. (2009). Sobre o Índice Geral de Cursos (IGC). In: Avaliação, Campinas; Sorocaba, SP, v. 14, n. 3, 667-682. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/aval/v14n3/a08v14n3.pdf. Acesso em: 20 fev. 2017.

Capriotti, P. (2005). Planificación estratégica de la imagen corporativa. 2. ed. Barcelona: Editora Ariel, 69-92.

Carvalho, H. (2017). Entrevista concedida a “Autor deste artigo” em 01 de set. 2016.

Castells, M. (2003). A galáxia da internet: reflexões sobre a internet, os negócios e a sociedade. Rio de Janeiro: Zahar.

Deslauriers, J. P., Kérisit, M. (2008). O delineamento de pesquisa qualitativa. In: POUPAR, Jean et al. A Pesquisa Qualitativa: Enfoques epistemológicos e metodológicos. Petrópolis, RJ: Vozes, 127-153.

Exame. (2013). Melhores & maiores: as 1000 maiores empresas do Brasil. Revista Exame, edição especial dos 40 anos. São Paulo, Editora Abril.

Farias, L. A. (2009). Relações públicas e sua função dialógica. Organicom – Revista Brasileira de Comunicação Organizacional e relações Públicas, a. 6, n. 10/11, 142-147.

Ferrari, M. A. (2006). As dimensões locais das relações públicas internacionais: teorias e paradigmas. Organicom – Revista Brasileira de Comunicação Organizacional e relações Públicas, a. 3, n. 5, 83-85.

Ferrari, M. A. (2010). Opinião Pública e RP. In: MELO, José Marques de (Org.). Enciclopédia INTERCOM de Comunicação. São Paulo: Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação, 893-894.

Fortes, W. G. (2003). Relações Públicas: Processo, Funções, Tecnologia e Estratégias. 3. ed. São Paulo: Summus.

França, F. (2010). Imagem corporativa. In: MELO, José Marques de (Org.). Enciclopédia INTERCOM de comunicação. São Paulo: Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação, 654-655.

França, F. (2008). Públicos: como identificá-los em uma nova visão estratégica. 2. ed. São Caetano do Sul, SP: Yendis Editora.

Freeman, R. E., Reed, D. L. (1983). Stockholders and Stakeholders: A New Perspective on Corporate Governance. California Management Review, Vol. XXV, n. 3, 88-106. Disponível em: . Acesso em: 16 jul. 2016.

Giuliese, A. (2014). Entrevista concedida a “Autor deste artigo” em 09 mai. 2012.

Hiwatashi, E. (2017). Entrevista concedida a “Autor deste artigo” em 23 de ago. 2016.

Iasbeck, L. C. A. (1997). A administração da identidade: um estudo semiótico da comunicação e da cultura nas organizações. Tese (Doutorado) – Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Semiótica. São Paulo: PUC-SP.

Iasbeck, L. C. A. (2007). Imagem e reputação na gestão da identidade organizacional. Revista Organicom, São Paulo, ano 4, n. 7, 84-97.

Jenkins, H. (2009). Cultura da Convergência. São Paulo: Aleph.

Kunsch, M. M. K. (2006). Gestão das Relações Públicas na Contemporaneidade e a sua institucionalização profissional e acadêmica no Brasil. Revista Organicom, São Paulo, ano 3, n.5, 30-61.

Kunsch, M. M. K. (2003). Planejamento de Relações Públicas na Comunicação Integrada. São Paulo, Summus.

Kunsch, M. M. K. (2007). Comunicação organizacional na era digital: contextos, percursos e possibilidades. Signo y Pensamiento 51. Volume XXVI. Colombia, Universidad Javeriana: Facultad de Comunicación y Lenguage.

Latour, B. (2012). Reagregando o social. Salvador: Edufba.

Lerner, E. B. (2006). A Relação entre Responsabilidade Social Corporativa e Reputação Corporativa. Disponível em: . Acesso em: 22 jul. 2016.

Lévy, P. (1999). Cibercultura. São Paulo: Ed. 34.

Macnamara, J. (2010). The 21st Century Media (R)evolution: Emergent Communication Practices. New York: Peter Lang.

Nielsen, J. (1999). Reputation Managers are Happening. Disponível em: . Acesso em: 14 jul. 2016.

Otoni, A.C. (2015). Brasileiros gastam 650 horas por mês em redes sociais. O Globo. Disponível em: . Acesso em Acesso em 20 de abril de 2017.

Paraventi, A. C. (2011). Uso estratégico das publicações na gestão dos relacionamentos organizacionais. In: FARIAS, Luiz Alberto de (Org). Relações públicas estratégicas: técnicas, conceitos e instrumentos. São Paulo: Summus, 195-234.

Recuero, R. (2008). O que é Mídia Social?. Disponível em . Acesso em: 28 fev. 2017.

Saad, B. (2012). Estratégias 2.0 para a mídia digital: internet, informação e comunicação. 3ª ed. São Paulo, Editora Senac São Paulo.

Savigny, H. (2002). Public Opinion, Political Communication and the Internet. Politics, v. 22, n. 1, 1-8.

Severino, J. A. (2016). Metodologia do Trabalho Científico. 24. ed. rev. e atual. São Paulo: Cortez.

Terra, C. F. (2008). Blogs corporativos: modismo ou tendência?. São Caetano do Sul, SP: Difusão.

Terra, C. F. (2011). Mídias sociais... e agora? – O que você precisa saber para implementar um projeto de mídias sociais. São Caetano do Sul, SP: Difusão.

Toffler, A. (1980). A terceira onda. 8ª. ed. Rio de Janeiro: Record.

Vasques, E. G. (2014). Entrevista concedida a “Autor deste artigo” em 11 mai. 2012.

Vaz, G. N. (1995). O Mercado de Idéias e Imagens. In: ____. Marketing institucional: o mercado de idéias e imagens. São Paulo: Pioneira, 34-57.

“Autor deste artigo”. (2017). Literacias digitais nos cursos de Graduação em Relações Públicas: disciplinas de tecnologia nas matrizes curriculares de universidades brasileiras. Tese (Doutorado) – Escola de Comunicações e Artes, Programa de Pós-Graduação em Ciências da Comunicação, Universidade de São Paulo, São Paulo. Disponível em: . Acesso em: 2 jun. 2017.

“Autor deste artigo”. (2014). Relações públicas, mercado e redes sociais. São Paulo: Summus Editorial.

“Autora deste artigo” (2017). A ressignificação da pesquisa-ação do NACE Escola do Futuro - USP: análise dos principais projetos sob a ótica das Literacias de Mídia e Informação (MIL). Tese (Doutorado) – Escola de Comunicações e Artes, Programa de Pós-Graduação em Ciências da Comunicação, Universidade de São Paulo, São Paulo. Disponível em: . Acesso em: 2 jun. 2017.

Wilson, C., Grizzle, A., Tuazon, R., Akyempong, K., Cheung, C. K. (2013). Alfabetização midiática e informacional: currículo para a formação de professores. Brasília: Unesco, UFTM.


Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.


Copyright (c) 2017 Fabiana Grieco Cabral de Mello Vetritti, Rafael Vergili

Miguel Hernández Communication Journal    

ISSN: 1989-8681

Universidad Miguel Hernandez
Avenida de la Universidad s/nº. ELCHE (03202).
Campus de Elche | Edificio Torreblanca.

mhcjournal@gmail.com

 

Indexación y Bases de Datos

3resh  1Latindex  7dialnet  2DICE  17Dulcinea  


Plataforma Latina de Revistas de Comunicación

platcom  1Latina    5fotocinema     

7pangea  9index-comunicacion  tec_com-studies  Temps de Comunicar          


Colaboradores universitarios

http://periodismo.umh.es/files/2012/03/logo-periodismo-UMH.jpg   http://mip.umh.es/img/logo_tw.png      Logo Universidad Autónoma de Baja California  Logo III Congreso Internacional de Comunicación Audiovisual y Publicidad, CICAP 


Puede hacer una petición de ejemplares impresos a Editorial Universitas 


Licencia Creative Commons
Creative Commons Reconocimiento-No comercial-Sin obras derivadas 3.0 España License

licenciaCC